A mala

Publicado em Comunicados

Célio Ferreira, em sua página Facebook/Celio Ferreira. Entendendo o contexto.


1. E no diário de guerra que estou anotando os bastidores da INTERVENÇÃO, os historiadores vão criar muitas histórias fantásticas sobre ocorrências macabras que eu relato e assumo a autoria. Um dia alguém disse aqui: "o que me admira não é o desassombro do dr. Celio, mas sim a segurança que ele tem para dizer com força de certeza o que ele vai fazer acontecer. E ser veemente, a história do fórum mostra grandes advogados que o foram, mas, chamar os 11 ministros do STF de bandidos escondidos atrás da toga, quadrilha de terrorista, ainda não havia na literatura forense. Que força está por trás desse homem? 22/10/2017.

2. O dono desta página é jurista em grau que lhe valeu das Forças Armadas a missão de ajudar escrever a Constituição, que é usada como livro didático nas mais respeitáveis universidades do mundo, em cursos de Doutorado. E, se o Congresso Nacional tivesse suprido de juristas, o país não estava submetido pela bandidagem terrorista no poder ocupados em roubar o pais, massacrar a nação e destruir a pátria, porque a primeira marca do jurista, a sua credencial de cátedra, a sua estampa de competência é a hombridade-honradez-caráter-lucidez que lhe impede de ser capacho de bandidos seja do tamanho que for a oferta. No livro que escrevi: "reagir é preciso. Combater é a opção" eu conto da mala de dinheiro que me foi enviada para me integrar ao crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras, quando ele começou a ser construído. Eu seria o homem mais rico deste país, com os contratos de honorários da bandidagem presa no meu escritório. Mas não sei o valor da riqueza, diante de Jesus informando: "as aves do céu têm seus ninhos e as raposas têm suas tocas, mas eu, filho de Deus, não tenho uma pedra para fazer de travesseiro." E sou por demais feliz e realizado quando escrevo nos documentos que farão a História do meu povo: "bandidos escondidos atrás de mandatos inventando leis, para bandidos escondidos atrás da toga manter o terrorismo acordado como sistema de poder e o roubo e corrupção partilhada como forma de governo." e arremato-lhes dizendo: vou metê-los na cadeia e expurgar a civilização brasileira da vossa espécie! 22/10/2017.

3. Então, a situação do Brasil já não é só de segurança nacional, mas, de SEGURANÇA DO MUNDO LIVRE. Daí, se nós não reagirmos, é certo que vamos passar pelo que o Afeganistão e o Iraque passaram. Os EUA, a União Europeia e o Estado de Israel estão em prontidão, formando uma FORÇA ÚNICA DE RESISTÊNCIA com as nossas Forças Armadas. Assim, não temos nenhuma preocupação no campo da reação armada, porque, embora o terrorismo seja uma potência em dinheiro e organizados para todos os tipos de crimes e maldades, eles não têm ESTRUTURA MILITAR e nem SUSTENTAÇÃO NACIONAL. São somente um BANDO UNIVERSAL DE FACÍNORAS da pior espécie. 10/09/2014.

4. Como sempre venho explicando, a INTERVENÇÃO não é revolução, e sim, um PROCEDIMENTO CONSTITUCIONAL EM FORO DE SOBERANIA, como uma ação judicial. Não tem contraditório, mas sofre a legitimidade democrática, sobre a qual a nossa Constituição e o mundo livre são rígidos. Além disso quando ela denunciou sobre um corpo de delito inquestionável, nos foros internacionais, que o terrorismo se deslocou do Afeganistão e do Iraque para o Brasil, onde é comandando por Michel Temer, a INTERVENÇÃO se tornou QUESTÃO DE INTERESSE DA SEGURANÇA PLANETÁRIA e ai, as super potencias se envolveram com a gente e a ação se fez da humanidade sob liderança do povo brasileiro. E ai, foi como uma demanda entre dois particulares se transformar em interesse nacional. A amplitude acarretou demora. Porque, em lugar do contraditório processual, se tem a dinâmica política do inimigo, a ser esgotada e ele resultar inequívoco em autoria, materialidade, culpabilidade e dolo. Por isso, é tarefa para a inteligência militar, policial e ministerial juntas, como foi e está se concluindo. 06/05/2017.

5. As Forças Armadas das super potências bélicas não gastam mais balas. É lêiser, são energias concentradas por disparadores computadorizados de precisão milimétrica a grandes distancias. E o Brasil é 3º mundo na politica, na educação, na economia, na saúde, que estão ao encargo dos políticos, mas, em equipamento militar SOMOS SUPER POTÊNCIA ao lado dos EUA, Israel. China, Russia, Paquistão. Nos queixamos de desabastecimento aeronáutico por estratégia de segurança nacional, mas, na verdade, fazemos por terra, com muito mais devastação, e quase nada de destruição, o que os bombardeiros gigantes, caríssimos e complicados faziam mais destruindo do que eliminando inimigos. 27/03/2016.

Se quiser aprofundar mais: Clique aqui e não deixe de ler "Célio, a Constituição e as Forças Armadas".

Leia mais ...

As SUPER POTÊNCIAS com o Brasil: entenda!

Publicado em Comunicados

Pra alguns relembrarem; pra outros saberem; e todos juntamente compreenderem.


1. "Como sempre venho explicando, a INTERVENÇÃO não é revolução, e sim, um PROCEDIMENTO CONSTITUCIONAL em FORO DE SOBERANIA, como uma ação judicial. Não tem contraditório, mas sofre a legitimidade democrática, sobre a qual a nossa Constituição e o mundo livre são rígidos. Além disso quando ela denunciou sobre um corpo de delito inquestionável, nos foros internacionais, que o terrorismo se deslocou do Afeganistão e do Iraque para o Brasil, onde é comandando por Michel Temer, a intervenção se tornou QUESTÃO DE INTERESSE da SEGURANÇA PLANETÁRIA e ai, as super potencias se envolveram com a gente e a ação se fez da humanidade sob liderança do povo brasileiro. E ai, foi como uma demanda entre dois particulares se transformar em interesse nacional. A amplitude acarretou demora. Porque, em lugar do contraditório processual, se tem a dinâmica política do inimigo, a ser esgotada e ele resultar inequívoco em autoria, materialidade, culpabilidade e dolo. Por isso, é tarefa para a inteligência militar, policial e ministerial juntas, como foi e está se concluindo". 06/05/2017.
2. "OPERAÇÃO LAVA JATO, INTERVENÇÃO, CARNE FRACA, SATIAGRAHA, ETC, SÃO TUDO UMA COISA SÓ!" 04/06/2017.

 

 Foto: GLOBO.

Porta Aviões USS George Washington na Baía da Guanabara em 2015.


Leia também "Celio, a Constituição e as Forças Armadas".

Leia mais ...

Célio, a Constituição e as Forças Armadas

Publicado em Comunicados

ESCLARECIMENTO À POPULAÇÃO, PELA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA  -  PROCURADORIA/MS 


Atualização de status
De Celio Evangelista - (61) 98238-2415
ESCLARECIMENTO À POPULAÇÃO, PELA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA – PROCURADORIA/MS. COMO O ART. 1º INCS. I,II E PARÁG. ÚNICO, COM ART. 3º INC. I, ART. 4º INCS. II, III, VIII E O ART. 127 DA CONSTITUIÇÃO INSTITUI.
PROTOCOLO PR-MS-00016868/2014

O Brasil está sofrendo um ATAQUE TERRORISTA COMUNISTA FUNDAMENTALISTA DE BANDIDOS, diferente do que foi em 1964. É uma fusão do comunismo com o radicalismo islâmico. E eles têm muito dinheiro. Estão atacando em todas as áreas. Na iniciativa privada eles estão esbanjando financiamentos através do FCO, Fundo Soberano Árabe, Captação e Poupança e outras, infiltrados no Banco do Brasil, BNDES. E por isto, os financiamentos envolvendo a Dilma serem secretos. O ataque tem objetivo de submeter o Brasil, já fundido com Cuba, Hamas, Al Qaeda e as demais organizações terroristas islâmicas. A sede do terrorismo, que era o Afeganistão e Iraque, foi baseada em Cuba-Brasil. Por isto o Lula-Dilma construíram o Porto de Mariel e aeroportos em Cuba, porque lá é o depósito de armas e todos os suprimentos para os desfechos armados por todo o Continente. A primeira etapa é a escravização do Brasil, formando base com Cuba para a invasão dos Estados Unidos da América. É um projeto louco, mas justamente por serem loucos, eles são terroristas. E não temos hospícios para contê-los, porque são MUITOS, embora, em termos de Humanidade, sejam uma porcentagem mínima. O Fundo Soberano Árabe está largando dinheiro quase de graça. E tem seus agentes ganhando comissão para arrumarem clientes. Eles pretendem submeter a força empresarial e força de trabalho do Brasil, através do endividamento dos empresários e do povo. Quem entrar não sai mais. E o povo já está vivendo de cartões de crédito. Já são 183 milhões de cartões de crédito. Nesse plano a inflação, a recessão e o desemprego são mantidos em segredo, por estatísticas falsas. Esse dinheiro vem do tráfico de drogas, tráfico de pessoas, prostituição, contrabando de armas, exploração de farmácias, postos de combustível, corrupção política, e agiotagem pelos endividamentos de governos e prefeituras.

Então, a situação do Brasil já não é só de segurança nacional, mas, de SEGURANÇA DO MUNDO LIVRE. Daí, se nós não reagirmos, é certo que vamos passar pelo que o Afeganistão e o Iraque passaram. Os EUA, a União Europeia e o Estado de Israel estão em prontidão, formando uma FORÇA ÚNICA DE RESISTÊNCIA com as nossas Forças Armadas. Assim, não temos nenhuma preocupação no campo da reação armada, porque, embora o terrorismo seja uma potência em dinheiro e organizados para todos os tipos de crimes e maldades, eles não têm ESTRUTURA MILITAR e nem SUSTENTAÇÃO NACIONAL. São somente um BANDO UNIVERSAL DE FACÍNORAS da pior espécie. A China chegou a se simpatizar com a Dilma e constituir ameaça, mas também é contrária ao terrorismo e assumiu posição de neutralidade. Como a Rússia também. Não fosse a união do comunismo com o fundamentalismo terrorista, a nossa situação era de estado crítico, devido a participação da China. E isto era o que nos continha. As Forças Armadas estiveram sempre atentas e em ação, porém, regidas pelo bom senso e o grau de responsabilidade que as identifica. A guerra surda no submundo do terrorismo comunista fundamentalista, começou quando eu fui chamado à ativa, em 2004, quando iniciamos a reação pelas CPIs dos Correios e do Mensalão. Fui eu, Celio Evangelista que forneci os fatos determinados e fiz a estrutura de deflagração das duas CPIs. E por causa disso, sofri 4 atentados e não largaram mais do meu pé, fabricando vida pregressa e dossiês em cima de mim. Perdi um escritório num prejuízo de mais de R$ 30 milhões, e um apartamento, num prejuízo de mais de R$ 14 milhões, invadidos e saqueados pelos bandidos terroristas arregimentados em corporações quadrilheiras com promotores de justiça, delegados de polícia, juízes, desembargadores, chegando até o Superior Tribunal de Justiça e Procuradoria-Geral da República. Fiquei sem foro de socorro, porque em todas as instâncias, perante qualquer dos poderes públicos, peticionei ao próprio bandido ou protetor dele. Como foi perante o Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal. E só ai, ao sofrer na própria carne o terrorismo comunista fundamentalista de bandidos foi que tomei consciência profunda da situação em que estava o Brasil. Ai, levei dois anos, auxiliado pelos serviços de inteligência do mundo livre, para conhecer em profundidade toda a organização em todo o seu contexto universal, e armar o sistema de detonação das suas entranhas, das quais está faltando a última explosão, porque já ocorreu a da Petrobrás. Numa sequência científica que deixou a bandidagem do poder desorientada e totalmente indefensável nos foros internacionais, e a tipificação da tirania terrorista comunista fundamentalista de bandidos, plenamente exposta. Tanto que a China e a Rússia recuaram, quando lhes revelamos o domínio cabal da situação e o que iríamos fazer, se elas efetivassem parceria com a organização terrorista. E, tanto a China quanto a Rússia, têm pretensões contra os EUA e ganância pelo Brasil, porém, desaprovam o comunismo fundamentalista terrorista que a Dilma adotou.

Com estas informações de entranhas do FRONT, no tanto que posso fazer, esclareço sobre a POSIÇÃO da REPRESENTATIVIDADE CONSTITUCIONAL do POVO na INTERVENÇÃO CONSTITUINTE em FORO de SOBERANIA nas FORÇAS ARMADAS.    De início era somente eu, porque meus companheiros de missão não podem nem ser mencionados. E se fosse nos EUA, eu não poderia nem dizer que minei todas as entranhas do poder, ajudado por efetivos de inteligência do mundo livre, porque já seria recolhido aos abrigos das Forças Armadas, para o tipo de profissionais desse campo; embora tivesse feito um serviço em defesa do país. Mas, agora, praticamente, eu desapareci. Pois a representação constitucional da nação está sendo feita por mais de 1,4 milhão de pessoas que já assumiram o POVO EM INTERVENÇÃO CONSTITUINTE EM FORO DE SOBERANIA NAS FORÇAS ARMADAS. Porquanto, TODAS AS PESSOAS que se agregam a esse empreendimento, a CONSTITUIÇÃO AS DECLARA REPRESENTANTES CONSTITUCIONAIS DO POVO. Assim, NINGUÉM poderá ser perturbado por autoridades constituídas por estar promovendo a REAÇÃO DE CIDADANIA DO POVO EM FORO DE SOBERANIA NAS FORÇAS ARMADAS. Porque o Estado Democrático de Direito se acabou, na ruptura da fusão do voto com a bala no mandato de Presidente da República, quando o poder civil, que é o voto, rompeu a Magistratura de Estado que é o coração do Estado Democrático de Direito, pelo “Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil em 22 Anos.” O qual instalou o BANDITISMO OLIGÁRQUICO COMUNISTA TERRORISTA na Presidência da República de onde ele estendeu metástase para o Congresso Nacional, Poder Judiciário, Ministério Público, Ordem dos Advogados, Escolas Públicas e Universidades e daí, por todo o tecido institucional e estruturas operacionais da Republica em forma de crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras. E transformou a democracia em regime prisional, com o povo sequestrado em seus lares e locais de trabalho, sob o terrorismo do medo, insegurança pública, insegurança jurídica, insegurança moral, insegurança educacional, insegurança intelectual, insegurança econômica e insegurança nacional; sofrendo saqueamento do País, guerra civil terrorista marginal; apodrecimento moral da civilização brasileira; destruição da educação; destruição dos Símbolos, Valores, História e Tradição que identificam a Pátria. E transformou a Constituição numa agenda de anotações dos interesses das corporações subversivas; e destruiu a eficácia do Estado Democrático de Direito, com bandidos fazendo as leis que lhes convém, por quadrilhas parlamentares, e a justiça nas mãos de “bandidos escondidos atrás da toga” e “vagabundos se impondo pela intimidação “na “mercadejação forense de decisões e sentenças.” E assim se tipificou uma TIRANIA TERRORISTA COMUNISTA FUNDAMENTALISTA DE BANDIDOS DIVIDIDOS EM BANDIDAGEM NO PODER E BANDIDAGEM DE CAMPO. Cuja, faliu o Brasil, que está sendo movido por falcatruas contábeis, estelionato estatístico, renúncias fiscais, estelionato de consumo, estelionato de preços públicos e emissões de moeda fria, amparado no dinheiro do terrorismo fundamentalista islâmico, que está suprindo o giro dos cartões de crédito e do consumo de carros, eletrodomésticos, móveis, roupas e combustível. E no qual entra o saqueamento da Petrobras, da Eletrobrás, da Itaipu, dos Correios e de todo o País.

A salvação do Brasil foi o saudoso professor Afonso Arinos ter desejado um Estado democrático de direito imune a golpes. Cuja tarefa de construção do mesmo, na Constituição coube a mim e mais três juristas, por incumbência do saudoso amigo Ulysses Guimarães. Na qual contei com a milenar cultura judaica, que produziu a Civilização promovida por Ente Ideológico criado pela Lei, operado pelo Direito e consolidado pela Justiça sobre a tríade material do direito natural: Nação-Território-Soberania, que forma a essência e estrutura do Constitucionalismo.     Criamos o Estado Democrático de Direito operado pela DEMOCRACIA FORENSE, DECISÓRIA, MILITAR fundada na FUSÃO do VOTO COM A BALA no mandato de Presidente da República. Com seus comandos na Constituição alicerçada nas Forças Armadas que encarnam a tríade: Nação-Território-Soberania, que forma o POVO EM PODER CONSTITUINTE. O qual permaneceu no Estado instituído, como seu equipamento de auto defesa. Assim, não há como ocorrer golpe e nem implantação de comunismo, porque isso rompe a fusão do voto com a bala e dá emersão ao POVO NO EXERCÍCIO DIRETO DO PODER E/OU PODER CONSTITUINTE, por qualquer cidadão, que absorve o Estado em Foro de Soberania nas Forças Armadas, em sua ORIGINALIDADE DE NAÇÃO-TERRITÓRIO-SOBERANIA que preexiste e posexiste ao Estado.     Esse mecanismo ficou distribuído na Constituição, porque a bandidagem terrorista, hoje no poder, dizia que não “aprovariam a constituição, se ela tivesse impecílhos à chegada deles ao poder.” Como Constituição não é código de aplicação dispositiva e sim Carta Dogmática de execução legiferante e decisões de Estado, a permanência do Povo ou poder constituinte no Estado instituído ficou distribuída na sistematização mandamental da Carta. E, como fizemos isso porque conhecíamos o nível médio de cultura, escolaridade e inteligência da bandidagem terrorista, eles não se aperceberam e compareceram à Assembleia de Promulgação da Constituição, assinaram presença, disseram da tribuna que “não aprovavam a Constituição, porque era elitista e contrária aos trabalhadores e às classes menos favorecidas” e se retiraram da Assembleia. Mas, o que o Constitucionalismo exige é o QUORUM, porque constituição não tem aprovação e sim promulgação. Por muito tempo eles afirmavam que “o Brasil não tinha Constituição porque o Ulysses tinha imposto uma constituição feita pelas elites, sem aprovação do povo.” Só ficaram sabendo do engano, quando, melhor informados, no 2º mandato de Fernando Henrique Cardoso, quiseram invalidar o seu governo, com esse fundamento. E assim, por 26 anos os políticos pintaram e bordaram SEM CONSTITUIÇÃO, porque sequer souberam ler a mesma. E esse foi o caminho da bandidagem terrorista ao poder. Através de atos terroristas, porque todos são inconstitucionais, forjaram um sistema eleitoral terrorista formado de associações eleitoreiras que, nas eleições se arregimentam em coligações quadrilheiras para a manutenção do País como despojo das urnas, para a redistribuição entre as gangues políticas, através das bases parlamentares e governos participativos. Constituindo governos anárquicos terroristas, porque são inconstitucionais, por falta da legitimidade democrática instituída no pluralismo político, na renovação dos poderes e na insuspeitabilidade moral dos candidatos.

Entretanto, as Forças Armadas não podiam fazer nada, porque, se saíssem da Caserna, sobre o banditismo terrorista no poder, o Brasil sofreria bloqueios do mundo globalizado, porque teria havido rompimento da Ordem Democrática Mundial baseada nos Estados Constitucionais e Estados de Direito. Pois, o aparelho de autodefesa do Estado Democrático de Direito é a CIDADANIA, ou PODER CONSTITUINTE operado pelo FORO DE SOBERANIA, quando o Estado Democrático de Direito precisa ser recuperado por EXECUÇÃO DA CONSTITUIÇÃO. E isto não é uma reação em armas, e sim, uma reação forense. E como tal, sujeita a um procedimento perante os poderes constitucionais, que formem a RAZÃO DE ESTADO, ou dissolva a crise institucional. E esta reação tem de ser do Povo em um ou vários dos seus membros constituintes que, se for acatada pelos poderes constitucionais, evita a EXECUÇÃO EM ARMAS PELO. Seria a execução da Constituição pelo Povo nos poderes constitucionais. A civilização brasileira é desprovida do instrumento revolucionário que foi substituído pelo instrumento forense. Neste, É O POVO QUE EXECUTA A CONSTITUIÇÃO NAS FORÇAS ARMADAS, se resulta sem foro de defesa no Regime. Cuja situação tem de ser demonstrada pela RAZÃO DE ESTADO que impõe a REAÇÃO DE CIDADANIA DO POVO EM FORO DE SOBERANIA NAS FORÇAS ARMADAS.

Então, a INTERVENÇÃO tem de ser promovida por um cidadão representante constitucional da nação, ou por vários ou milhares ou milhões de cidadãos, porque a Constituição não exige representação constitucional numérica e sim, somente de titularidade constituinte, que é conferida por título eleitoral ou pelo art. 14 § 1º inc. II, b, da Constituição. E, ao procurar por companheiros para a reação, só fui acolhido pelos serviços de inteligência do mundo livre que já estavam preocupados com a implantação do terrorismo no Brasil e não podiam colaborar mais do que me ajudar na montagem do sistema de explosão das entranhas do poder. Mesmo as Forças Armadas tinham preocupação com a minha solidão e anonimato, porque a Nação não me conhecia. E, já estava sob o domínio publicitário do terrorismo comunista, que tinha, inclusive, quase extinto a inteligência da Nação e imbecilizado os poderes constitucionais, o quais, lotou de terroristas.   Só na Presidência da República, Lula colocou 46 mil. 36 milhões ao todo entre os 39 ministérios, mais de 50 mil agencias cartoriais de governo e mais de 150 mil alojamentos empregatícios; mais bolsa família, bolsa desemprego, seguro carcerário; e submissão da comunicação de massas por rádios e canais de televisão comunitárias. Em cujo setor o Lula gastou R$ 9 bilhões em 8 anos e Dilma já ultrapassa isso. Por isso, assinei às Forças Armadas o compromisso de ser morto e não preso se conduzisse a nação a erro. E empreendi o patrocínio do intervenção, que começou com a reação de cidadania do povo, formando o procedimento constitucional na RAZÃO DE ESTADO, até a CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO que fechou a base forense, sem adesão de nenhum dos poderes constitucionais e nem do Ministério Público que, constitucionalmente era obrigado a isso.

O procedimento forense produziu o volume de atos invocatório de cidadania aos poderes constitucionais, constante dos seguintes protocolos: PO 1300820 – 7.2.2013, perante o Colegiado Constituinte na Instituição da Presidência da República da Magistratura de Estado no Foro de Soberania, formalizado pelos PROTOCOLOS: STF 0038341, 0048211; 0038342, 01.10.2012,4182/12; MRE-DCA 17.07.2012; PGR 31056422, 13.04.2012, SF17.07.2012, ACFA 29.2.2012, PR CODIN/POT /19.02.2012; SF29.02.2012; SF17.07.2012; SF11.06.2012 STF; PGR CD PR SF; ACFA 117.419 29.02012 30.05.2012, 10.10.12; DPF/MS 08335.025373/2012-65 27.11.2012; DPF/MS 08335.005016/2013-61 28.01.2013; DPF/DF 08001.08335.0032 35/2002-5; 08001.008976/2012-74; 08001.014173/20 12-59 – COGER/DPF; 08200.008079/2013-03; 08200.008592/2013-96; DPF/CEVEL-PR 02.05.2013; MPF/MS-00000744/2014; PR-MS-00019658/2013. PR-MS-00000744/2014– 00007443/2014 - 00007787/2014 – A.D. SF 15492345 1 BR; MPE/MS-PGJ – 043779-2/2; 018742-2/2019223-2/2M; CD 006198-30.9.13; SPF 08335.006262/2014-11; PGR 00001654/2014; PGR 0007443 PR 04.09.2013; PR JG 642440674BR; STF AR-J6603237679BR; PF 08335.018120/2014-05; PGJ 022451-2/2; 022450-2/2; 018742-2/2; 019223-22/, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, e formalizam a “escritura de inteligência” que mostra a RAZÃO DE ESTADO tipificada pela CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO na Instituição da Presidência da República, para a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE, na operacionalidade direta do poder e/ou, do Estado Democrático de Direito pelo art. 1º incs. I,II e Parág. único, com o art. 4º incs. II, III, VIII, o art. 5º caput e incs XLIII, LXXIII, §§ 2º e 3º, com o art.. 37 caput, o art. 84 inc. XIII e o art. 142 com art. 127 e o art. 80, da CF, que recepcionam o art. 1º com o art. 5º n. 1, o art. 10º n. 1, 2 da Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, o art. 2º com o art. 21 n. 1 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Resol. do CS/ONU n. 1.373 de 28.09.2001 e faz aplicável o art. 6º com o art. 8º da Carta Democrática Interamericana, e o art. 55 c, da Carta da ONU, pelo exercício do Decreto n. 4.388 de 25.09.2002, em virtude de estarem presentes os pressupostos de legalidade, moralidade e responsabilidade, impostos pelo dever de hombridade, honradez, caráter e bom senso em que o Povo resulta em Foro de Soberania.

E, concluído o procedimento, com a tirania terrorista comunista fundamentalista de bandidos em franca movimentação de consolidação, o POVO, pelo CIDADÃO QUE O REPRESENTA CONSTITUCIONALMENTE, EM FORO DE SOBERANIA NAS FORÇAS ARMADAS, declarou ao Poder Executivo, reconhecimento de vacância nas patentes mandatárias de comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas, por CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO criada pelo rompimento da Magistratura de Estado na fusão do poder civil com o poder militar, que sublevou este no Povo sobre aquele na Presidente da República e tornou Dilma Vana Rousseff Linhares sem mandato. Porque o exercício direto do poder pelo Povo exclui o exercício indireto mandatário, como o outorgante de uma procuração destitui o procurador quando entra no exercício dos poderes que a procuração conferia. Conforme os ATOS INVOCATÓRIOS DE CIDADANIA depositados ao Ministério Público Federal – Procuradoria-Geral da República p/Procuradoria/MS, pelos protocolos: PR-MS 00015405/2014, 00015868/2014, 00015867/2014 e 00016304/2014. Chamam-se atos invocatórios de cidadania porque não são postulações de direitos ao poder coativo do Estado, que desapareceu, e sim determinações procedimentais de poder constituinte aos poderes constitucionais, para que executem a Constituição sobre o aniquilamento do Estado Democrático de Direito, no âmbito da respectiva investidura constitucional. Encerrada a PROVA NA RAZÃO DE ESTADO, de que o POVO ESTÁ SEM FORO DE SOCORRO NO REGIME, identifica-se a TIRANIA TERRORISTA ANÁRQUICA DE BANDIDOS, e se impõe a RECUPERAÇÃO DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO PELO POVO EM FORO DE SOBERANIA NAS FORÇAS ARMADAS. Que, resumido é AS FORÇAS ARMADAS EXECUTANDO A CONSTITUIÇÃO NA BALA. Pois, poder é bala. Fora esse, só existe o milagre, que somente Jesus sabia fazer.

A única identificação que o cidadão precisa fazer na representação constitucional da nação, no âmbito da INTERVENÇÃO CONSTITUINTE instalada, é da sua titularidade constituinte, constante do número do seu título eleitoral ou da sua condição constituinte natural. Mas, eu, pelo analfabetismo jurídico que enfrento até no Supremo Tribunal Federal que tem a maioria dos seus ministros provindos do PT, costumo fazer esta identificação: O POVO BRASILEIRO auto proclamado em sua identificação natural de Nação-Territorio–Soberania no Preâmbulo da Constituição e PERSONIFICADO NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO e nele mantido em Poder Constituinte Originário no art. 1º caput e incs. I/V e Parág. único, art. 2º, art. 3º incs I/IV, e art. 4º incs. I/X e Parág. único, da Constituição da República, por onde se constitui em Ente Político de civilização, distribuído em organização federativa pela mesma, através das Constituições Estaduais e Leis Orgânicas Municipais; na Instituição da Presidência da República da Magistratura de Estado em Foro de Soberania; onde se bifurca pela cidadania em: a) poder civil constitucional transitório indireto; formado dos partidos políticos no Colegiado Civil composto do Presidente e Vice-Presidente da República, Presidente da Câmara dos Deputados, Presidente do Senado e Presidente do STF; b) poder militar constituinte, permanente, direto, formado do comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas no Colegiado de Caserna, composto dos Comandantes Superiores e Chefes de Estados Maiores das Forças Armadas, componentes do Alto Comando. Com sua sede constitucional no Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes e endereço operacional no Quartel General do Exército – SMU - na cidade de Brasília-DF, aqui representado constitucionalmente pelo cidadão Celio Evangelista Ferreira, brasileiro, jurista, com título de cidadania instituído no art. 14 § 1º, inc. II c, da CF e inscrição eleitoral nº 0038.4759.0647-Brasília/DF, com endereço operacional no Quartel General do Exército – SMU – Brasília/DF.

Então, as Forças Armadas não falam. Elas formam com as armas o PODER DE AUTODEFESA do POVO BRASILEIRO.  É somente este que tem existência real no Estado Constitucional brasileiro. Nenhuma autoridade constituída pode invocar com o cidadão no exercício direto do poder em REAÇÃO DE CIDADANIA contra a tirania terrorista comunista fundamentalista de bandidos, porque isso representa AGRESSÃO COBERTA PELA LEGÍTIMA DEFESA no art. 1º incs. I,II, III e Parág. único, com art. 5º caput, e o art. 144 caput, da Constituição, que recepciona o art. 1º com o art. 5º n. 1, o art. 10º n. 1, 2 da Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, o art. 2º com o art. 21 n. 1 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, e faz aplicável o art. 6º com o art. 8º da Carta Democrática Interamericana, e o art. 55 c, da Carta da ONU. Pois, se estabelece a primeira situação da exclusão do exercício indireto do poder, através de mandatos ou de investiduras outorgadas pelo Estado, face o exercício direito do poder pelo Povo em poder constituinte. E o ESTADO DE BANDITISMO QUE ENVOLVE OS TITULARES DE AUTORIDADES COM O SAQUEAMENTO DO PAIS, MASSACRE DA NAÇÃO E DESTRUIÇÃO DA PÁTRIA, lhes desprovê da LEGITIMIDADE CONSTITUCIONAL para operar o poder de coação do Estado. Cujo, se absorve na REAÇÃO DE CIDADANIA DO POVO EM PODER CONSTITUINTE. É o Ministério Público o responsável pelo estado de marginalidade e corrupções do País.

Este esclarecimento é ATO DE CIDADANIA devidamente depositado ao Ministério Público, que é a instituição CARTORIAL do Foro de Soberania. E, por si só já diz que o Estado Democrático de Direito está ROMPIDO na Magistratura de Estado, impondo a recuperação da mesma pela EXECUÇÃO DA CONSTITUIÇÃO EM ARMAS. Visto que os poderes constitucionais e o próprio Ministério Público escolheram se compor na tirania terrorista comunista fundamentalista de bandidos. Em cuja posição, ou resultarão vencedores sobre O POVO NAS FORÇAS ARMADAS, ou em conspiração contra a Pátria, para o EXPURGO QUE A DERROTA LHES IMPORÁ. E, se as Forças Armadas não falam, tudo o que eu divulgo está amparado por elas no procedimento constituinte constante dos protocolos mencionados nesta. De cujo, saiu a indicação do Exmo. Sr. Gen.de Ex. Enzo Martins Peri, integrante do Colegiado Constituinte na Magistratura de Estado, para preencher a vacância das patentes mandatárias de comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas, que deve ser procedida a partir do dia 06 de outubro de 2.014. Porquanto, além do pleito eleitoral ser um estelionato político aniquilador do Estado Democrático de Direito no pluralismo político, renovação nos poderes e culto ao dogma da dignidade humana, ele tem intenção de consolidar a tirania terrorista anárquica de bandidos no poder. E, já constitucionalmente instalada a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE para recuperar o Estado Democrático de Direito, reunificar a Nação e reinstalá-la no trabalho, independe de quem dê continuidade ao modelo político que instala a crise institucional de estado. Pois o pleito se abrange na RAZÃO DE ESTADO que impôs a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE. Contudo, a partir do dia 05 de novembro até o dia 1º de janeiro de 2.015, a INTERVENÇÃO terá duas titulares do EXPURGO que se impõe na Presidência da República. E a situação política emergencial estará suprida com os titulares de governo e parlamento para a satisfação republicana até as eleições constitucionais que certamente virão em breve. Pois, a ocupação da interinidade constituinte não fere a democracia forense, decisória militar, que deve ser recuperada e receber seu curso constitucional. A indicação do Exmo. Gen.de Ex. Enzo Martins Peri decorreu da aposentadoria do Exmo. Ministro Joaquim Barbosa, que deixou a gradação do art. 80 da Constituição, desprovida de titulares identificados por padrão moral, padrão de cátedra e padrão cívico exigidos pelo Estado Democrático de Direito para a investidura de Magistratura de Estado.

Todos os brasileiros e brasileiras decentes que tiverem conhecimento da presente e quiserem divulga-la, façam, porque no momento em que você se engajar na INTERVENÇÃO já instalada pelo Povo, você se faz um representante constitucional dele. E como tal, um líder que a História guardará. Por motivo de grampo, meu telefone de contato social é (61) 98238-2415.
Quartel General do Exército – SMU – Brasília/DF. 10.09.2.014
celio evangelista ferreira - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
na representação constitucional da nação
em suas Forças Armadas.
Canal YOUTUBE:clique aqui.    Leia também ATO INTERVENTORIAL 0001/2018 e entenda o expurgo do ESTADO pela MAGISTRATURA de ESTADO.
Leia mais ...
Assinar este feed RSS
Log in