Prazo pra Raul Jungmann se retratar.
Fonte: imagem de internet

Prazo pra Raul Jungmann se retratar.

"...deixo bem claro a V.S. que NÃO ADMITO, SOB NENHUM FUNDAMENTO, QUALQUER TIPO DE FERIMENTO AOS MEUS SOLDADOS, NO CAMPO DAS SUAS DESTINAÇÕES CONSTITUCIONAIS, SOB O MEU COMANDO E AUTORIDADE SUPREMA. Já de muitas vezes, tenho repetido às tropas, que as tenho como MEUS FILHOS, e não admito o jargão de “morrer pela Pátria,” que está substituído pela DETERMINAÇÃO SEM DESVIO, DE MATAR POR ELA. Determinação essa que JÁ ESTÁ ESTENDIDA ÀS POLÍCIAS MILIARES na investidura delas de reservas e forças auxiliares do Exército.      Com esta informação, o POVO BRASILEIRO NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS PELO COMANDO DA INTERVENÇÃO POR MIM ASSINADOdá a V.S. o prazo de..."


 

“Ministro convoca o comandante do Exército para avaliar punição a general.”

“O ministro da Defesa, Raul Jungmann, pediu explicações ao comandante do Exército sobre a fala de um general da ativa sugerindo que pode haver intervenção militar caso o Judiciário não consiga resolver "o problema político" —uma referência à miríade de casos de corrupção em apuração no país.Em nota, o ministro fala que foram discutidas "medidas cabíveis a serem tomadas" em relação ao general Antonio Hamilton Mourão, secretário de Finanças do Exército. A nota não diz se algo será feito, mas a rigor ele pode ser punido porque a legislação veda a oficiais manifestações sobre o quadro político-partidário sem autorização expressa do Comando do Exército. O comandante da Força, general Eduardo Villas Bôas, não fez comentários. Cabe a ele, legalmente, decidir o que fazer com Mourão."Reitera o ministro da Defesa que as Forças Armadas estão plenamente subordinadas aos princípios constitucionais e democráticos. Há um clima de absoluta tranquilidade e observância aos princípios de disciplina e hierarquia", diz a nota. Em palestra numa loja maçônica de Brasília na sexta (15), Mourão respondeu a uma pergunta sobre a eventualidade de uma intervenção militar constitucional. Disse que os militares poderão ter de "impor isso" e que essa "imposição não será fácil". O governo passou a segunda-feira avaliando como responderia ao caso. O Planalto considerou a frase de Mourão desastrosa, mas havia a preocupação de não ampliar a repercussão do episódio. Por outro lado, até pela viralização do episódio na internet, a Defesa julgou melhor enquadrar o general. Na avaliação do governo, o episódio foi isolado e o general, reincidente nas polêmicas. Em 2015, ele perdeu o cargo de comandante da região Sul após ter feito duras críticas à classe política e exaltado a "luta patriótica". Além disso, um quartel sob sua jurisdição prestou uma homenagem ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que chefiou o DOI-Codi, centro de detenção e tortura do regime militar (1964-85). Ustra havia morrido naquele ano. Mourão foi transferido para um cargo compatível com sua patente, a mais alta, de general de Exército, assumindo a secretaria de Finanças da Força. A função, contudo, é considerada burocrática. O general é um dos mais respeitados comandantes do Exército, o que relativiza a avaliação do governo sobre o episódio. Segundo disse, em reserva, um oficial superior à Folha, suas posições costumam reverberar nos meios militares, mesmo que não haja concordância plena com elas. A reportagem não conseguiu falar com o militar. No domingo (17), ele disse ao jornal "O Estado de S. Paulo" que não pretendia insuflar ninguém ou defender a intervenção, e que apenas respondeu a uma pergunta".

 

 

AO INDIVÍDUO RAUL JUNGEMANN QUE ESTÁ EM FLAGRANTE DELITO DOS CRIMES DE ESBULHO DO MINISTÉRIO DA DEFESA E USURPAÇÃO DO CARGO PÚBLICO DE MINISTRO DA DEFESA. NA CORPORAÇÃO TERRORISTA DE MICHEL MIGUEL ELIAS TEMER LÚLIA.

 

 

     O POVO BRASILEIRO formado pela tríade constituinte originária: Nação-Território-Soberania, autoproclamado no Preâmbulo da Constituição em Poder Constituinte, denominado nela de cidadania, pelo qual se institui em Estado Democrático de Direito no art. 1º caput e incs. I,II e Parágrafo único, com o art. 4º incs. I,III da Constituição, e se constitui em Ente Político de civilização, distribuído em organização federativa esma, através das Constituições Estaduais e Leis Orgânicas Municipais; bifurcado em: a) poder político constitucional rotativo indireto nos partidos políticos no art. 1º incs. II,V e Parág. único, com o art. 14 incs. e §§ e art. 17 incs. e §§, art. 27 § 1º, art. 28, art. 29 inc. II, art. 46, o art. 76, e o art. 80 da Constituição, no Colegiado Mandatário composto do Presidente e Vice-Presidente da República, Presidente da Câmara dos Deputados, Presidente do Senado Federal e Presidente do STF; b) força militar constituinte permanente direta, formada das patentes eleitorais de comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas, no art. 1º incs. I,II e Parág. único, com o art. 4º incs. II,III, o art. 84 incs. XIII, e o art. 142 com o art. 91 inc. VIII e o art. 80 da Constituição, no Colegiado Constituinte, composto dos Comandantes Superiores da Marinha, Exército e Aeronáutica; com personalidade jurídica instituída no art. 2º e arts. 18, 20, 21, 22 da Constituição na UNIÃO FEDERAL, CNPJ nº 29.979.036/0001- 40, sediada no Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília/DF;

     em FORO DE SOBERANIA pelo exercício direto do poder nos termos do art. 1º incs. I,II e Parág. único, com o art. 4º incs. I, II, III, VIII, o art. 5º caput e incs XLIII, LXXIII, §§ 2º e 3º, com o art. 37 caput, o art. 84 inc. XIII, com o art. 142 e o art. 77 §§ 1º, 2º, mais o art. 144 caput e incs. I, V, §§ 1º, 6º da Constituição, que recepcionam o art. 1º com o art. 5º n. 1, o art. 10º n. 1, 2 da Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, o art. 2º com o art. 21 n. 1 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Resol. do CS/ONU n. 1.373 de 28.09.2001, e faz aplicável o art. 6º com o art. 8º da Carta Democrática Interamericana, e o art. 55 c, da Carta da ONU, com o Decreto n. 5.639 de 26.12.2005, e o Decreto n. 4.388 de 25.09.2002, face estar presente no corpo de delito do País a RAZÃO DE ESTADO, CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO, ASSALTO AO PODER PELO FORO DE SÃO PAULO, FALÊNCIA DO PAIS e CAOS SOCIAL, que rompeu o Estado Democrático de Direito na fusão do voto com a bala no mandato-patentes de Presidente da República e extinguiu eficácia à Magistratura de Estado desprovendo o Processo Histórico de regência institutiva, dando emersão ao Povo em Foro de Soberania, na qualidade de equipamento constituinte de autodefesa da Constituição e de legitima defesa social, política, econômica e histórica da nação;

   em que ele se opera com a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO, instaurada, recebida, aceita e homologada pelos poderes constitucionais, instituições e entidades públicas, no procedimento constante dos PROTOCOLOS: STF Pet 142098/08.10.2008, STF 0038341, 29.2.2012, PR CODIN/POT/19.02.2012; SF29.02.2012; SF17.07.2012; SF11.06.2012 STF; PGR CD PR SF; CFA 117.419 29.02012 30.05.2012, 10.10.12; DPF/MS 08335.025373/2012-65 27.11.2012; DPF/ MS 335.005016/2013-61 28.01.2013; PO 1300820-7.2.2013/ACFA: DPF/DF 08001.08335.0032 35/2002-5; 08001.008976/2012-74; 08001.014173/20 12-59 – COGER/DPF; 08200.008079/2013-03; 08200.008592/2013-96; DPF/CEVEL-R 02.05.2013; MPF/MS-00000744/2014; PR-MS-00019658/2013. PR-MS-00000744/2014– 07443 /2014 – 00007787/2014 R 02.05.2013; MPF/MS- 0000744/20 14; PR-MS-00019658/2013. PR-MS-00000744/2014– 000 07 443 /2014 – 00007787/2014 – A.D. SF 15492345 1 BR; MPE/MS-PGJ – 043779-2/2; 018742-2/2019223-2/2M; CD 006198- 30.9.13; SPF 08335,006262/ 2014-11; PGR 00001654/2014; PGR 0007443 PR 04.09.2013; PR JG 642440674BR STF AR-J6603237679BR; PF 08335.018120/2014-05; PGJ 022451-2/2; 022450-2/2 022450-2/2; 018742-2/2; 019223-22/, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, PGR 10058/2014. STF SF 82200437/2014; STF PE 6197258220; ACFA PE 513259353JH; STF PE 513269996JH; STF PE 619725820JH; PRM-CAC-PR 10058/2014; PR PRM-CAC-PR 00010318/2014, para: RECUPERAR A SUA VOCAÇÃO DE LIBERDADE; RESTAURAR O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO; RESTABELECER A UNIDADE DA NAÇÃO; REENCAMINHAR O PAIS PARA O TRABALHO e RECONSTRUIR A SOBERANIA DO BRASIL; tendo por objeto abrangencial a instalação do Brasil pelo PROJETO AMAZÔNIA – Soberania, Poder e Riqueza pelo caminho da roça, que traz a ECONOMIA TRABALHISTA EDUCATIVA pelo COOPERATIVISMO DE ESTADO composto de iniciativa privada e governo, campo e cidade, empreendendo o trinômio patrimonial originário: HOMEM-TERRA-NATUREZA para o PROGRESSO visando QUALIDADE DE VIDA;

     aqui personificado pelo COMANDO DA INTERVENÇÃO formado do cidadão Celio Evangelista Ferreira do Nascimento, brasileiro, jurista, título de cidadania outorgado pelo art. 14 inc. II, b, da Constituição, cadastro eleitoral nº 0038.4759.0647/Brasília-DF, filiação partidária 011745991910/PMDB, CPF nº 198.285.009-49, RG 788947/MS, endereço operacional no Quartel General do Exército – SMU, Brasília/DF; e endereço de expediente: telefone 61 98238-24.15, com as Forças Armadas, Polícia Federal, Polícias Militares, Polícias Civis, Agentes Penitenciários, Ordem dos Advogados do Brasil, Ministério Público Federal, Justiça Federal e lideranças da nação,

    observou todas as cautelas no exercício da Instituição da Cidadania, tanto no âmbito do poder constitucional que deve ser operado pelas instituições instrumentalizadoras dos poderes constitucionais no Estado Democrático de Direito que se distribui pela ordem jurídica e o regime democrático sobre o Processo Social no Foro Judiciário, e é socorrido na esfera do poder constituinte que é operado diretamente pelo POVO em reação de cidadania no Processo Histórico no Foro de Soberania, e chegou ao desfecho buscado desde início com a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO tipificada por inequívoca constitucionalidade, legitimidade, necessidade e imperatividade,

       CONTRA

    o “Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil Em 22 Anos” que se consolidou na TIRANIA OLIGÁRQUICA COMUNISTA FUNDAMENTALISTA      TERRORISTA CORPORATIVA TRANSNACIONAL DE BANDIDOS composta da:

     a) bandidagem no poder alojados nos cofres públicos e instalados nas Instituições pelo: PMDB, PSDB, PT, DEM, PCB, PC do B, PTB, PDT, PSB, PPL, PTC, PSC, PMN, PRP, PPS, PV, PT do B, PR, PSTU, PRTB, PHS, PSDC, PCO, PTN, PSC, PRB, PSL, PR, PSD, PROS, SP, PMB, PP, PRTB, REDE, PODE, PATRIOTAS, supridos pelos “especialistas,” “intermediadores,” negociadores” e “mefíticos” de toda a espécie, que estão espalhados por todo o tecido institucional e todas estruturas operacionais da República e iniciativa privada, e ocupados em: a) roubar o Pais, b) massacrar a Nação, c) destruir e vender a Pátria;

     b) bandidagem terrorista transnacional, alojados no “projeto Pátria Grande” e instalados no terrorismo corporativo sem fronteiras pela: URSAL, UNASUL, URC, ESAD, G-20, BRICS, FAO, OTSC, CEI, OCS, ECVCNB, no MST, CUT, MSTA, CEMIG, CONTAG, Via Campesina, MLST, MAB, MIR, ELN, EZ, APINB, ARPIN-Sul, COIAB, APOINME, CIR, ABA, IEB, CTI, CUIA, Sindicatos, Hamas, Taleban, Al Qaeda, Jihads, Hesbollah, Boko-Haran, Al Shebab, Estado Islâmico; Foro de São Paulo; Instituto Lula; Escola Sul-Americana de Defesa; Unidade de Coordenação Eleitoral; Exército Bolivariano; ocupados em destruir a organização constitucional do mundo, apodrecer a civilização e desestabilizar e dispersar a humanidade;.

     c) bandidagem de campo alojados no “fome zero” e criminalidade quadrilheira, organizados em: PCC, CV, FDN, TCC, CRBC, CDL, SS, DCMS, TC, ADA, IDI, AJ, AD, B.dos 40; PCN; ER; 300 Esp.; PCM; ERam; B. dos 300; CC; GDA; PCM; BI; PGE; B. dos 40; ADM; COM; B.dos 300M; PCM2; PCE; CP; BM; KATIARA; CPr; CAVEIRA; CMO; PJ; PCMpr; PCMG; MP; PI; PCU; CJUC; GF, CDLcr, PGC2, PCRV, CL, SN, SC,PL, PGO, FRC, BC, OS TAURAS, V.7, O.S.A.l, U.P.P, C.P.C, A.L, P.C.Pr, P.C.L.ms, D.G, BPj, B.C.cuia, C.V.mt, A.L.ro, C.P.ro, B. dos 13; 3º CP; Carecas do ABC; Comando da Paz; CRBC, Máfia do Lixo, Esquadrão da Morte. Assistidos pela Depen, “Pastoral Carcerária,” e ONGS; e ocupados em matar, assaltar, estuprar, sequestrar;

     d) bandidagem empresarial terrorista aninhados no BNDES e cofres púbicos e compostos da: Odebrecht, OAS, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, UTC Engenharia, Camargo Correia, Engevix, Brf Brasil Founds S.A, Seara Alimentos S.A, JJZ Alimentos S.A, Madero Ind. Com. S.A, Touyo Setel Engenharia, Mendes Júnior Trading E. S.A, Anglo, Swit Bck, J&F, Vigor, Flora, Canal Rural, Banco Original e Cabana Los Lilas, Armour, Pite, Aspen Ridge, King Island, Moy Park La Herencia, Pibgrins Pride, EPE, Havan, FRIBOI, JBS, BNDES, TV GLOBO, dentre outras. Como o corpo de delito do País registra e está espelhado pelas: “Operação Lava Jato,” “Operação Carne Fraca,” “Operação Catilinária,” “Operação Castelo de Areia,” “Operação Patmos,” Operação Boca Livre, “Operação Recomeço,” Operação Turbulência,” “Operação Acrônimos,” Operação Zelote,” “Operação Custo Brasil,” “Operação Lucas,” dentre outras,

     a respeito da AGRESSÃO TERRORISTA de V.S. retro colada, que foi publicada pelo jornal “Folha de São Paulo,” IRRITADO E INTOLERANTE, por este ato constituinte DIZ E ADVERTE A BANDIDAGEM ENCARNADA POR V.S., O SEGUINTE:

V.S. não tem ascendência nenhuma sobre as Forças Armadas, porque é somente um meliante terrorista bandido em flagrante delito de esbulho do Ministério da Defesa e usurpação do cargo público de “Ministro da Defesa.” Porquanto, está composto em corporação terrorista com o meliante Michel Miguel Elias Temer Lúlia, no esbulho da Instituição da Presidência da República e usurpação do respectivo cargo, por assalto ao poder feito pelo Foro de São Paulo com o Instituto Lula, José Dias Toffoli e a Procuradoria-Geral Eleitoral através do pleito eleitoral terrorista de 2.014 promovido com dinheiro roubado da Petrobrás, BNDES, Eletrobrás, Eletronuclear, Cofres Público e do povo, com o qual fabricaram o mandato de Dilma nas urnas eletrônicas e depois o refabricaram para Temer na Câmara e Senado com o Supremo Tribunal Federal pelo “impeachment da Dilma,” como o Tribunal Superior Eleitoral reconheceu nos veredictos proclamatórios de seu Presidente Min. Gilmar Mendes:

"A rigor, hoje, nós não temos presidente da República, o que, talvez, até ajude.”

– Min. Gilmar Mendes

Nós não podemos deixar que o País se transforme num sindicato de ladrões. Eu vou cassar o mandato de Dilma. Doações ao Partido dos Trabalhadores (PT) foram realizadas com dinheiro de propina, oriundo de sobre preços praticados em contratos com a administração pública...doações realizadas pelas construtoras OAS, Andrade Gutierrez, Queiróz Galvão, UTC Engenharia, Camargo Correia, Engevix e Odebrecht, todas investigadas no esquema de corrupção da Petrobras. Não é difícil adivinhar que parte desses recursos pode ter vindo para a campanha...” –Min. Gilmar Mendes.

     E no julgamento da “ação de cassação do mandato de Dilma/Temer” o TSE arquivou a ação por “não haver mandato para ser cassado, mas sim, o esbulho da Instituição da Presidência da República por uma corporação de bandidos” escancaradamente identifica pelo corpo de delito do País e a imensa prova carreada pelo PERSECUTÓRIO INSTITUCIONAL DE ESTADO que foi dividido em blocos de perseguições policial a partir da “Operação Lava Jato” como à unanimidade a Corte Eleitoral Máxima reconheceu.

      E, na Presidência da República, Michel Temer com as suas gangues, quadrilhas e corporações de bandidos e terroristas, transformou a democracia em cleptocracia, e o País, num sindicato de ladrões, com o crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras, com bandidos escondidos atrás de mandatos fazendo leis, para bandidos escondidos atrás da toga manter o terrorismo acordado como forma de governo e a corrupção e roubo partilhado como forma de governo, em cujo desempenho o meliante responde a processos penais perante a justiça eleitoral, Polícia Federal, Ministério Público Federal Supremo Tribunal Federal e a 12 denúncias por crime de responsabilidade perante a Câmara dos Deputados. Por onde o meliante com suas gangues quadrilhas de bandidos, ladrões e assaltantes e corporações terroristas substituiu e o Estado Democrático de Direito por uma TIRANIA OLIGÁRQUICA COMUNISTA FUNDAMENTALISTA TRANSNACIONAL CORPORATIVA TERRORISTA DE BANDIDOS, pela qual submete o Brasil a estado de guerra convulsional terrorista de massacre da nação que já eliminou mais de 5 milhões de pessoas e está com outras 16,1 milhões de pessoas nos corredores de extermínio pelo terrorismo do desemprego no País falido sem jeito de ser recuperado; sofrendo a eliminação de 174 pessoas por dia no arraial da bandidagem de campo, 94 pessoas eliminadas por dia nos corredores de extermínio do SUS, 53 mil pessoa eliminadas e outras 135 mil aleijadas e feridas por ano nos corredores de extermínio do trânsito; uma ocorrência marginal a cada 0,11 minutos; 9 crianças eliminadas por dia no “tiro ao alvo;” com 3% da população mundial, o Brasil responde por 11% dos assassinatos em todo o mundo; com a criminalidade comum em prosperidade de 1.638% de 2003 a 2.016 amparada pelo “fome zero,” “seguro desemprego,” “seguro prisão;” com a nação sequestrada em seus lares e locais de trabalho sob o terrorismo do medo, insegurança pública, insegurança jurídica e insegurança econômica; sofrendo destruição da família, desagregação da sociedade e desintegração da nação, demonstrada por 117 milhões de encrencas judiciais entre 93 milhões de pessoas que formam a população economicamente ativa.

     Nesta situação, o POVO BRASILEIRO instaurou execução à reação de cidadania iniciada com as CPIs dos Correios e do Mensalão, sobre cuja AP 470 e a Lei Terrorista nº 12.5238 de 18.11.2011 que atentou contra os art. 8º e 9º do ADCT e restaurou o status quo ante da “Revolução de 64” declarando a bandidagem comunista terrorista vencedores e a nação, vencida em suas Forças Armadas, para responder como infame em seus soldados vivos e mortos, em condenações perpétuas de execração moral e esquartejamento de personalidade, instaurou perante a Corte Constituinte, poderes constitucionais e instituições a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO em Foro de Soberania, com a qual a Constituição aparelha o POVO EM AUTO DEFESA DA CONSTITUIÇÃO E LEGÍTIMA DEFESA SOCIAL, POLÍTICA, ECONÔMICA E HISTÓRICA DA NAÇÃO, EQUIPADA COM AS FORÇAS ARMADAS, COMO O REVOLVER NA SINTURA DAS PESSOAS AS EQUIPA DE LEGÍTIMA DEFESA no art 1º inc. II, III e Parág. único com o art. 3º incs. I/IV e art. 4º incs. II, III, VIII, e o art. 5º caput com o art. 144 caput da Constituição que as Forças Armadas produziram na ANC, por missão acordada com o saudoso estadista Ulysses Guimarães e desempenhada por Celio Evangelista Ferreira ora no patrocínio da INTERVENÇÃO desde as CPIs dos Correios e do Mensalão, pelas quais iniciou a transformação do armagedom que a bandidagem comunista fundamentalista terrorista havia instalado no Brasil, em caso de polícia; auxiliado pelos serviços de inteligência dos países livres, e evitou a hecatombe de civilização que estava em construção nos 23 países membros da organização satânica com sede no Brasil.

Encerrado o procedimento forense com absoluta execução da Constituição e fidelidade aos princípios da democracia constitucionalista forense meritória militar que ela projeta, o POVO NO EXECÍCIO DIRETO DO PODER, EM FORO DE SOBERANIA perante a Corte Constituinte e poderes constitucionais e instituições instalou a fase executória e final da INTERVENÇÃO, que tem por objeto:

     1) A reintegração da instituição da Presidência da República à União;

     2) A prisão dos meliantes Michel Miguel Elias Temer Lúlia, Rodrigo Maia e Eunício de Oliveria que a esbulham;

    3) A posse no cargo vago de Presidente da República desde o dia 1º de janeiro de 2.015, do cidadão Celio Evangelista Ferreira do Nascimento, escriba da Constituição cumprindo missão das Forças Armadas, e, por ironia do destino, o IMPLANTADOR DELA pelo “Ideário da Revolução de 64” que dividia a “Revolução de 64” em três períodos: de 1964 a 1985, o período de construção física do País; de 1985 a 2.014/2.016 o período de absorvimento da bandidagem comunista terrorista na baderna política sustentada pelas oligarquias do poder desde a “Proclamação da República,” que faria o auto expurgo da civilização brasileira pelo suicídio de poder da bandidagem comunista terrorista, que ocorreria pela corrupção, o apodrecimento político e a anarquia institucional em que eles iam meter o Brasil, como meteram; e, o período final, de 2014/2.017 de reinstalação do Brasil no canteiro de obras de construção da Pátria visando o PROGRESSO para QUALDIADE DE VIDA, como ficou impresso no que fora construído de 1964 a 1985, e está no PROJETO AMAZÔNIA – SOBERNIA, PODER E RIQUEZA PELO CAMINHO DA ROÇA, que vem com a ECONOMIA TRABALHSITA EDUCATIVA formada pelo COOPERATIVISMO DE ESTADO integrado de iniciativa privada e governo, campo e cidade, na transformação da tríade patrimonial: HOMEM-TERRA-NATUREZA em PROGRESSO para QUALDIADE DE VIDA, que constitui o interesse material da INTERVENÇÃO.

    Para isso o procedimento executório da INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO foi constitucionalmente instaurado perante a Corte Constituinte, poderes constitucionais e instituições, com ciência à OEA e ONU, e as Forças Armadas foram constitucionalmente CONVOCADAS como está nos atos invocatórios de cidadania anexos, e acataram a convocação, como não poderia ser diferente, reconhecendo elas que a INTERVENÇÃO reveste-se dos pressupostos e condições de: constitucionalidade, legitimidade e necessidade. E, se assim elas não acatassem, se tipificariam em insurgimento terrorista contra a Constituição que as Forças Armadas produziram; face à cuja hipótese o POVO prevenira seu equipamento de legítima defesa pelo desforço próprio que seria desfechado com os 638 mil homens transformados em chacais sedentos de sangue nas penitenciárias e presídios, que seriam soltos sobre a hierarquia das Forças Armadas. Eventualidade em que o banditismo terrorista no poder seria eliminado com o seu próprio antidoto que é o banditismo de campo, no seio da sua organização marginal. Porquanto, a REAÇÃO INTERVENTORIAL DO POVO, NASCEU PARA ELIINAR A TIRANIA QUE O MASSACRA E NESSE DESIDERATUM É UM CAMINHO SEM VOLTA, ASSENTADO NA CONSTITUIÇÃO QUE INSTITUI PARA ISSO, O SOCORRO HUMANITÁRIO NA SOBERANIA SOLIDÁRIA.

     Nessa CONVOCAÇÃO, o Exmo. Sr. Gen. de Ex. Antônio Amilton Martins Mourão foi cientificado de que fora escolhido para substituir o Exmo. Sr. Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas, que está doente e assim, sem condições para a operacionalidade de campo do Exército; bem como, através do Comando do Exército, foi requisitado para integrar o COMANDO DA INTERVENÇÃO que está em franca operacionalidade para o evento retro mencionado. E, ao comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas não importa saber se os comandados estão voluntariamente disponíveis às missões instauradas, porque, isso caracteriza conspiração que implica em prisão imediata, sob notificação à Justiça Militar para instauração do respectivo procedimento penal. Coisa que as Forças Armadas não poderiam ignorar, como AUTORAS DA CONSTITUIÇÃO QUE ASSIM ESTABELECE.

     E foi no desempenho dessa CONVOCAÇÃO que o Exmo. Sr. Gen. de Ex. Antônio Amilton Martins Mourão, compareceu ao Grande Oriente do Brasil para FAZER-SE O ORÁCULO DELE EM SUA DECLARAÇÃO À NAÇÃO DE QUE ESTÁ INTEGRADO À EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO.

    Por conseguinte a AGRESSÃO desferida pelo MELIANTE Raul Jungmann feriu, não o Gen. de Ex. Antônio Hamilton Martins Mourão, mas sim, o POVO BRASILEIRO na Constituição que sofreu esse atentado terrorista em seu art. 1º icl.. III que institui o dogma da hombridade-honradez-caráter que é encarnado pelos soldados que, na Doutrina Cristã que produziu a civilização brasileira, SÃO O PROTÓTIPO DA NAÇÃO como “MINISTRO DE DEUS, PORTADORES DA ARMA CONTRA OS MAUS.” Entre cujos maus, Raul Jungmann se arrola no estado de guerra convulsional de massacre terrorista da nação, para responder em corte marcial. Em cuja calamidade penal, o seu ataque terrorista à Constituição contra o POVO BRASILEIRO em seu Gen. de Ex. Antônio Amilton Martins Mourão, e em sua SAGRADA, AUGUSTA E RESPEITÁVEL INSTITUIÇÃO MAÇÔNICA DO GRANDE ORIENTE DO BRASIL, À QUAL DEVE A SUA SOBERANIA, não permite o POVO BRASILEIRO lhe estender tolerância. Por isso,

SR. RAUL JUNGMANN CONSIDER-SE EM VIAS DE PRISÃO COM A RESPECTIVA EFETIVAÇÃO A OCORRER A QUALQUER HORA, DENTRO DO CRONOGRAMA DE CAMPO DA INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO, INSTALADO.

     Ficando ciente de que o POVO BRASILEIRO NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS ENCARNADO PELO COMANDO DA INTERVENÇÃO, ASSINADO POR CELIO EVANGELISTA FERREIRA DO NASCIMENTO, o reconhece apenas como bandido comunista terrorista fundamentalista e marginal comum nos grupos, quadrilhas e corporação de Michel Temer. E dentro do art. 1º incs. I, II, III e Parág. único, com o art. 3º incs. I/IV, o art. 4º inc. II com o art. 5º caput e inc. X e o art. 144 caput da Constituição DETERMINA ÁS TROPAS, DENTRO DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO ART. 142 DA CONSTITUIÇÃO, que, ao menor gesto de desrespeito de V.S. LHE QUEBREM A CARA no DESFECHO DE LEGÍTIMA DEFESA DA HONRA MILITAR, DA HONRA CONSTITUCIONAL DA NAÇÃO E DO ESPLENDOR DA PÁTRIA que a NENHUM MELIANTE BANDIDO TERRORISTA FUNDAMENTALISTA é tolerado desmerecer. Pois, é momento dos “HOMENS MAIS HOMENS” assim instituídos na Doutrina Cristã que os apresenta como “HOMENS DE DEUS” NA PERENIDADE DA FARDA QUE GUARDA A ETERNIDADE DA PÁTRIA nos Símbolos, Valores, História e Tradições que resplandecem nas divisas, e galões que na hierarquia militar materializam a vertical do desenvolvimento evolutivo que ergue o Edifício Nacional brasileiro de suas BASES MORAIS para seus IDEAIS DE ESPIRITUALIDADE.

     No COMANDO DA INTERVENÇÃO integrado dos cidadãos e cidadãs mais proeminentes da nação, eu, Celio Evangelista Ferreira do Nascimento, sou a unidade de frente no comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas, e, nos meus desempenhos quando participei da destruição da Cortina de Ferro, extinção da Guerra Fria e desmontagem da União Soviética, já devolvi muitos demônios ao inferno e por conseguinte, ultrapassei o umbral das dúvidas sobre integridade de consciência diante de Deus, e por isso, deixo bem claro a V.S. que NÃO ADMITO, SOB NENHUM FUNDAMENTO, QUALQUER TIPO DE FERIMENTO AOS MEUS SOLDADOS, NO CAMPO DAS SUAS DESTINAÇÕES CONSTITUCIONAIS, SOB O MEU COMANDO E AUTORIDADE SUPREMA. Já de muitas vezes, tenho repetido às tropas, que as tenho como MEUS FILHOS, e não admito o jargão de “morrer pela Pátria,” que está substituído pela DETERMINAÇÃO SEM DESVIO, DE MATAR POR ELA. Determinação essa que JÁ ESTÁ ESTENDIDA ÀS POLÍCIAS MILIARES na investidura delas de reservas e forças auxiliares do Exército.

    Com esta informação, o POVO BRASILEIRO NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS PELO COMANDO DA INTERVENÇÃO POR MIM ASSINADO, dá a V.S. o prazo de 24 horas da hora do protocolo desta, para V.S. SE RETRATAR COM A MESMA INTENSIDADE PUBLICITÁRIA COM QUE LANÇOU A EXECRAÇÃO INJURIOSA, CONTRA A NAÇÃO EM SUAS FORÇAS ARMADAS E NO GRANDE ORIENTE DO BRASIL, sob pena de, transcorrido esse prazo, V.S. ser preso em flagrante delito com entrega respetiva à Justiça Militar. OU DESDE QUANDO AS FORÇAS ARMADAS DEVEM SER TUTELADAS POR BANDIDOS PÉ DE CHINELO! ESTRUMES IDEOLÓGICOS DESPENCADOS DAS LATRINAS DO INFERNO?

Blog do Comando da Intervenção: WWW.COMANDODAINTERVENCAO.ORG em todas as línguas dos países livres. E.mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. – facebook/celioevangelista – fone 61 98238-24.15

Quartel General do Exército - SMU, Brasília/DF,19 de setembro de 2.017.

COMANDO DA INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO

na liderança constitucional do povo

no comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas.

Celio Evangelista Ferreira do Nascimento - Forças Armadas - Polícia Federal - Polícias Militares - Polícias Civis - Agentes Penitenciários - Ministério Público Federal – Ordem dos Advogados do Brasil – Justiça Federal – Associação Comercial e Industrial de Cascavel - ACIC - TV Tarobá

 

 

Última modificação emTerça, 26 Junho 2018 14:14
(1 Votar)
Ler 1394 vezes

2 comentários

  • Marla Reuter Colombo
    Marla Reuter Colombo Segunda, 25 Setembro 2017 19:05 Link do comentário

    Realmente a situação em que estes "meliantes" colocaram o Brasil, requer tolerãncia ZERO para qualquer palavra e ação que degrade e desvalorize a VIDA....estão como um polvo de infinitos tentáculos e degradaram quase tudo nas instituições que existem para servir ao Brasil e ao seu povo, principalmente a família e a educação que são o que se reflete em todos os demais fazeres.....

  • ATADEU ROCHA DA SILVA
    ATADEU ROCHA DA SILVA Quarta, 20 Setembro 2017 08:13 Link do comentário

    Se faz necessário uma atitude firme contra esta quadrilha que está aí..
    Fragilizando nossas instituições. Consequentemente nosso País.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Log in