Inauguração do PINGA FOGO
Otavio Silveira

Inauguração do PINGA FOGO

PINGA FOGO


EPISÓDIOS HISTÓRICOS

     Inauguro este espaço contando como as Forças Armadas instalaram a 2ª etapa do “Ideário da Revolução de 64  Constituição” que tinha por objeto:

1) absorver a bandidagem comunista terrorista na baderna política para que a Civilização Brasileira se expurgasse deles pelo suicídio de poder que eles praticaríam de 1986 a 2.014/2.016;

2) escrever a Constituição que encerrasse o período colonial com esse suicídio de poder e reinstalasse o Brasil no canteiro de obras de construção da Pátria iniciado em 1964.

     Para a etapa de instalação desse objetivo, primeiramente, o saudoso presidente Ernesto Geisel me incumbiu da “missão de promover a abertura de Imprensa;” depois, o saudoso presidente João Figueiredo me incumbiu de “promover a redemocratização,” que iniciei com a “Emenda Dante de Oliveira.” E logo após a instalação da Assembléia Nacional Constituinte em 1987, fui encarregado pelas Forças Armadas de “ajudar produzir a Constituição, com os mecanismos que ela precisaria para quando ocorresse o suicídio de poder da bandidagem comunista terrorista. Isso foi acertado entre as Forças Armadas e o Dr. Ulysses em esfera de “inteligência militar” que, naqueles dias ainda era “coisa secreta”. Com a minha participação no âmago cerebral da Constituinte, o Dr. Ulysses ficou sabendo a fundo a gênese do Constitucionalismo que é a doutrina da Vida Civilizada regida por Ente Ideológico instituído pela Lei, operado pelo Direito e Consolidado pela Justiça. E cumprida a tarefa, ele me pediu para estar presente na Assembléia de Promulgação que ele ia me fazer uma homenagem “tão significativa, quanto o segredo do gesto que ficaria entre nós. A homenagem foi ele levantar a Constituição em triunfo, plagiando Moisés com os Dez Mandamentos. Homenagem que eu lhe retribui com o título de “Patrono do Estado Democrático de Direito” através da Câmara Municipal de Campo Grande-MS, pelo vereador Paulo Pedra, quando eu assessorava o governador Pedro Pedrossian. Não obstante o imenso volume de participação popular e das emendas que nos chegaram, a Constituição ficou resumida ao que as Forças Armadas, dentro do que o Constitucionalismo ensina, construíram, por mim, nela. É oportuno lembrarmos o discurso do Dr. Ulysses na promulgação dela:

A Nação nos mandou executar um serviço. Nós o fizemos com amor, aplicação e sem medo. A Constituição certamente não é perfeita. Ela própria o confessa, ao admitir a reforma. Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca. Traidor da Constituição é traidor da Pátria. A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam. Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública. A coragem é a matéria-prima da civilização. Sem ela, o dever e as instituições perecem. Sem a coragem, as demais virtudes sucumbem na hora do perigo. Sem ela, não haveria a cruz, nem os evangelhos... A Assembléia Nacional Constituinte rompeu contra o establishment, investiu contra a inércia, desafiou tabus.... A exposição panorâmica da lei fundamental que hoje passa a reger a Nação permite conceituá-la, sinoticamente, como a Constituição coragem, a Constituição cidadã, a Constituição federativa, a Constituição representativa e participativa, a Constituição do Governo síntese a Constituição fiscalizadora... Adeus, meus irmãos. É despedida definitiva, sem o desejo de retorno. Nosso desejo é o da Nação: que este Plenário não abrigue outra Assembléia Nacional Constituinte. Porque, antes da Constituinte, a ditadura (do comunismo eclodida em 1964) já teria trancado as portas desta Casa... Termino com as palavras com que comecei esta fala: a Nação quer mudar. A Nação deve mudar. A Nação vai mudar. A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança. Que a promulgação seja nosso grito: – Mudar para vencer! Muda, Brasil!”

     Constituição não precisa ser aprovada. Tem de ser somente promulgada. Mas em nada implicaria de ela passar por esse ato. E o Dr. Ulysses a submeteu a uma sessão de aprovação do texto pelos constituintes. Apenas os 15 constituintes do PT votaram desaprovando o texto por ele ser “muito elitista.”

     Antes da Promulgação, o Prof. Afonso Arinos havia profetizado: “Produzimos a melhor Constituição do mundo. Temo, por ém, que tenhamos feito como o general que equipou suas tropas com a melhor arma do mundo, mas elas nunca a tinham visto, e então, sem saber para que lado é a mira, vão se matar com a arma ao invés de atingir as forças inimigas, que são: o subdesenvolvimento, a miséria, a ignorância, o analfabetismo”.  Era tudo tão exposto na cara da bandidagem que não se poderia vislumbrar outro fim para a civilização brasileira, do que a hecatombe que ela está sofrendo. Mas, pela Constituição a nação está fazendo a travessia do abismo político para a construção do seu grande destino que nela está assegurado.

OS PRESIDENCIÁVEIS

     Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes, Álvaro Dias, Bolsonaro. Haveria agressão maior à dignidade da nação, do que isso? Entretanto, Lula, como o mais experiente saiu com o seu “programa de governo,” que é, também, a sua recomendação de superioridade para o posto: É a sua sentença de 240 laudas, que o condena a 9 anos de prisão, por ladrão “especialista”, ou bandido da pior espécie. E, como os demais são agregados a ele desde 2.003, resultam cobertos pelo mesmo programa de governo e o mesmo currículo de envergadura marginal.

ECONOMIA

     Estamos sofrendo o “socialismo monetarista de Estado sem economia” que o Henrique Meireles, Guido Mantega, Paulo Bernardo, Dilma Rousseff e Michel Temer inventaram. Ele se opera assim: Por falcatruas contábeis, estelionato estatístico, renúncias fiscais estelionatárias, estelionato de preços públicos, estelionato de consumo, contabilizações de exportações inexistentes, dívidas públicas renegociadas contabilizadas como crédito e picaretagens com títulos públicos entre o Tesouro, BNDES e Banco Central eles fabricam ativos líquidos nos balanços de pagamentos e por esse meio dão entrada ao dinheiro do terrorismo islâmico pelas bolsas, para financiar obras e governos nos 23 países membros da organização, através do BNDES, e o agro negócio através do FCO. E emitem real frio para lastro metálico em contas correntes para os bancos fazer o mercado consumidor fiado pelo multiplicador bancário. Assim é dado giro à roda do consumo/produção que mantém o emprego numa ponta da gangorra financeira e a produção no volume exato do consumo, na outra, fazendo o suprimento orçamentário do Estado, por onde as emissões frias retornam ao Tesouro em forma de impostos, custos, taxas, juros, multas, emolumentos, encargos, tarifas e lucros. O problema é que gera a concentração de renda nos negócios que exploram o vício, a fome, a doença, a mediocridade e a farra, e as emissões frias se acumulam em dívida pública; e cresce o custo do Estado obrigando a venda do patrimônio pública que desprovê o país de capacidade de absorvimento de investimentos externos e de expansão empresarial. Acontecendo a depressão econômica que o Brasil está sofrendo.

FINANÇAS                                     

     A bandidagem anunciou “o maior aumento de negócios na Bovespa dos últimos 20 anos.” MILAGRE! Quem investiria em país sofrendo depressão econômica governando por ladrões? OS PRÓPRIOS LADRÕES que roubam a respectiva massa falida duas vezes, depois de terem roubado o País: “repatriam” o dinheiro roubado que está lá fora, através da compra de ações nas bolsas, roubando assim, o sistema financeiro nacional e os cofres públicos, pelos impostos que deixam de recolher, e os crimes que deixam de responder; e roubam a economia pela compra de ações desvalorizadas, de empresas de futuro econômico garantido. Estamos sofrendo o mais diabólico surto de bandidos e ladrões que as latrinas do inferno tinha para despejar na Terra.

Última modificação emDomingo, 17 Setembro 2017 13:59
(0 votos)
Ler 442 vezes

2 comentários

  • União Cristã Inove Caratinga
    União Cristã Inove Caratinga Segunda, 18 Setembro 2017 14:47 Link do comentário

    Ainda não tenho o que dizer sobre a matéria.
    Mas o farei oportunamente, porque agora vou me concentrar em viralizar os links deste blog, pois o Brasil precisa saber disso, logo logo, bem depressa!
    No entanto, não quero perder a oportunidade de inaugurar este espaço que a História haverá de registrar e reconhecer.
    Por que será reconhecido, muito em breve, como exemplo para os demais países do mundo, especialmente os que vivem em convulsão e desarmonia nacional.
    Que verão, aqui, um extraordinário modelo de planejamento e organização para a paz interna, sob as graças e unção misericordiosa de Deus!
    União Cristã Inove Caratinga - Joel Moreira, Presidente

  • VICTOR VENANCIO ARÁOZ
    VICTOR VENANCIO ARÁOZ Segunda, 18 Setembro 2017 02:12 Link do comentário

    DR. CELIO FERREIRA: APOS LEITURA DE TODOS OS CONSIDERANDOS E DENUNCIAS TENHO A LHE DECLARAR QUE ME SENTI À FRENTE DO MAIS FORMIDÁVEL ARGUMENTO PARA A TOMADA DO PODER PARA IMPLEMENTAR O PROGRAMA DE GOVERNO DA INTERVENÇÃO MILITAR.
    TENHO 73 ANOS, TRABALHEI TODA MINHA VIDA PAGANDO PELO TOPO, O IR. E A PREVIDÊNCIA ME SINTO FRUSTRADO E QUERO SABER QUANDO TEREI A ÚNICA ALEGRIA DESDE A APOSENTADORIA DE TER DECLARADA EFETIVAMENTE A INTERVENÇÃO. SIM A ÚNICA ALEGRIA.
    RESIDO EM RONDÔNIA E GOSTARIA PODER ME DESLOCAR PARA A CERIMÔNIA DE POSSE DAS AUTORIDADES.
    OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO.
    DEUS LHE GUARDE.
    VICTOR VENANCIO ARÁOZ, JI-PARANA - RO.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Log in